Design de Interiores ganhou espaço no desenvolvimento de projetos comerciais e residenciais

0
426

O Data MPE Brasil, uma plataforma digital desenvolvida pelo Sebrae, destaca que foram registradas 38.812 empresas no setor de Design de Interiores, em 2022. Desse total, 57% iniciaram as atividades no ano passado, apontando o bom momento para os serviços prestados em diferentes projetos.

Na avaliação dos especialistas, um dos motivos para o crescimento do setor são as tendências surgidas a cada ano, em termos de materiais, aproveitamento de itens e espaços, além das opções de elementos sustentáveis que fazem referência à conservação da natureza e reciclagem.

A coordenadora da graduação de Tecnologia em Design de Interiores, Ana Paula Coelho de Carvalho, explica que a área, assim como as demais ligadas à construção civil, precisa acompanhar os benefícios tecnológicos observados em projetos, conceito de espaço e relação com seres humanos.

“A tecnologia está associada à questão da informática apesar de não necessariamente envolver algo restrito a esse assunto. No entanto, o mundo virtual é um tema relacionado diretamente à inovação, o que vai ao encontro do profissional que corresponda às necessidades atuais e futuras”, observa.

Atualização de acordo com a realidade do mercado

Com a proposta de oferecer o que há de mais recente em tecnologias no segmento, o Senac EAD lançou a graduação de Tecnologia em Design de Interiores. A coordenadora explica que uma das disciplinas ministradas é sobre Tecnologias Emergentes, de modo a preparar profissionais que se relacionem com o mundo digital, em prol de soluções inovadoras.

“Esse tema está inserido no conteúdo programático, para estimular a discussão contemporânea das opções disponíveis no projeto de ambientes, contudo, sem restringir as ferramentas tradicionais”, reforça.

A educadora, ressalta ainda, várias tecnologias que já estão em uso nas atividades diárias do profissional de Design: Testes de ambientes virtuais; impressão 3D; arquivos compartilhados em nuvem; dispositivos que usam as funcionalidades da Internet das coisas (IoT); realidade aumentada.

“As tecnologias citadas permitem que soluções sejam testadas, garantindo assim, a avaliação e a verificação antes da execução do trabalho. Ou seja, permitir que o usuário vivencie a execução física e a implantação do projeto”, reforça Ana.

Outro ponto analisado pela coordenadora do curso é que os recursos apresentados pelas tecnologias modificam um cenário estático, tornando-o dinâmico e interativo.

EAD oferece recursos tecnológicos no aprendizado

A coordenadora do curso de Design de Interiores esclarece que muitos dos recursos tecnológicos destacados já são adotados no método de ensino-aprendizagem do Senac EAD. Portanto, as tecnologias emergentes visam a aproximação do aluno com os conhecimentos desenvolvidos na prática.

“Nesse sentido, sendo um curso à distância, entende-se que o aluno está minimamente integrado, ou pretenda estar, a esse ambiente virtual, o que se torna um facilitador no modo de absorver os novos formatos de trabalho”.

É importante acrescentar que todas as disciplinas da graduação apresentam alguma tecnologia presente nos serviços prestados em design de interiores, afinal o objetivo é que os temas sejam revisitados ao longo do tempo, de modo a acompanhar as mudanças no campo de trabalho.

“Muitas ferramentas já estão presentes no dia a dia da profissão e é importante repensar como alteram e desafiam o trabalho dos profissionais a adquirirem novas habilidades. O impacto dessas tecnologias emergentes se estendem por toda a sociedade, e a maneira com que ela se relaciona e interage com os espaços deve conduzir o pensamento dos projetistas do futuro”, argumenta Ana.

Como o trabalho funciona na prática?

Para quem ainda tem dúvidas sobre a atuação do profissional de design de interiores, podemos citar alguns dos mais procurados: Autor de projetos para ambientes (residencial, comercial, corporativo e institucional); espaços interiores como vitrinismo e cenografia; escolha dos móveis e disposição para melhor aproveitamento de espaço; consultoria de acabamentos, revestimentos e pintura; projetos de iluminação artificial e climatização do ambiente.

Desse modo, a importância do profissional da área de design de interiores é estabelecer, na escala do ser humano, a relação com espaço da maneira adequada.  Além disso, pode exercer a função como autor de projetos autorais, mas também atuar no varejo, como especificador, atendente, vendedor, estando vinculado, ou não, à indústria do setor.

A coordenadora do curso acrescenta mais opções de atuação: “o profissional em design de interiores também tem competência para atuar no ramo moveleiro em caráter específico dentro de suas competências, como um profissional que entende o móvel dentro do contexto de sua relação com o ambiente, enquanto elemento compositivo do espaço”.

Como foi possível comprovar, a profissão de Design de Interiores oferece uma ampla gama de atuação, e isso vai depender da aptidão verificada ao longo do curso. A formação tem caráter tecnólogo, com dois anos de duração (1.620 horas) e o concluinte que for aprovado receberá o diploma de Tecnólogo em Design de Interiores. Para saber mais detalhes, acesse o site do Senac EAD e aproveite para se matricular, já que as inscrições dessa etapa terminam no dia 9 de abril.

 Foto: Divulgação